Rua Itacolomi, 1457 - Portão - Curitiba/PR
  • (41) 3329-9018
  • (41) 99996-1659

Mais do que prestação de serviços...

Uma parceria de confiança!

Ministério do Trabalho será extinto, diz Bolsonaro

O presidente eleito estuda agrupar a pasta dentro de outro ministério, mas ainda não definiu qual seria

Após reunião com o presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), João Otávio de Noronha, e o futuro ministro da Justiça, Sergio Moro, o presidente eleito Jair Bolsonaro disse que pretende extinguir o Ministério do Trabalho e fundi-lo a outra pasta.

Ele não informou detalhes. “O Ministério do Trabalho vai ser incorporado a algum ministério”, limitou-se a dizer.

Criado há 30 anos, o Ministério do Trabalho divulgou nota na terça-feira, 6/11, por meio da assessoria, informando sobre a importância de ser mantido como uma pasta autônoma.

LEIA MAIS: Conheça a equipe de transição de Jair Bolsonaro

A nota diz que: “O futuro do trabalho e suas múltiplas e complexas relações precisam de um ambiente institucional adequado para a sua compatibilização produtiva, e o Ministério do Trabalho, que recebeu profundas melhorias nos últimos meses, é seguramente capaz de coordenar as forças produtivas no melhor caminho a ser trilhado pela nação brasileira, na efetivação do comando constitucional de buscar o pleno emprego e a melhoria da qualidade de vida dos brasileiros”.

ITAMARATY

Questionado sobre o nome do futuro chanceler, Bolsonaro afirmou que busca um diplomata de carreira, sem viés ideológico. "Estamos buscando alguém sem o viés ideológico. Há vários nomes, e assim como na Defesa teremos um [militar] de quatro estrelas, no Itamaraty teremos um diplomata."

O presidente eleito disse que pretende fechar representações brasileiras “ociosas”, sem citar quais seriam essas representações. A rede consular brasileira é uma das maiores do mundo, consiste em um conjunto de embaixadas, consulados e vice-consulados.

Bolsonaro reiterou ainda que vai viajar para os Estados Unidos, mas disse que seu estado de saúde por enquanto não o permite.

BANCO CENTRAL

O futuro presidente afirmou ainda que o atual dirigente do Banco Central, Ilan Goldfajn, poderá permanecer à frente do banco em seu governo. "Pode ser. O Paulo Guedes está com tudo rascunhado. Está em vias de ser anunciado." Mais cedo, Goldfajn não quis confirmar essa possibilidade.

O presidente eleito confirmou a unificação das pastas da Justiça e Segurança Pública em uma única – a da Justiça sob comando do juiz federal Sergio Moro. Ele disse ainda que, por sugestão do setor produtivo, Agricultura e Meio Ambiente permanecerão separados.